Sobre a N’weti

A N’weti – Comunicação para Saúde, fundada em 2008,  é uma organização moçambicana sem fins lucrativos, que actua na área comunicação para saúde que pretende contribuir para uma melhor saúde dos cidadãos e comunidades moçambicanos. A N’weti é pioneira na comunicação para mudança social e de comportamento em Moçambique. Ela oferece uma comunicação de classe mundial através de intervenções integradas de multi-media (TV, Rádio & Impressos), mobilização social e advocacia e monitoria da governação, dando particular atenção ao género e aos direitos humanos. A definição de saúde da N’weti é baseada no conceito da Organização Mundial da Saúde (OMS) que explica que as necessidades da promoção da saúde devem ser abordadas como um produto resultante de iniciativas multissectoriais. Estas incluem a criação e promoção de um ambiente saudável que favoreça a tomada de decisões informadas; a advocacia (incluindo a monitoria da governação) para a criação de plataformas legais, as políticas de saúde públicas e a promoção dos direitos humanos; as acções comunitárias para a criação de ambientes favoráveis para a mudança, bem como o desenvolvimento de habilidades pessoais e reorientação dos serviços de saúde para uma abordagem que vise a promoção dos direitos humanos.

Missão

Contribuir para a melhoria do estado de saúde dos moçambicanos através de intervenções que visam garantir serviços de saúde de qualidade e promover mudanças sociais e de comportamento nos níveis individuais, comunitários e estruturais.

 Visão

Indivíduos e comunidades em Moçambique com acesso aos serviços de saúde de qualidade e a adoptarem estilos de vida saudáveis.

Os valores e princípios orientadores

Respeito pelos direitos humanos; Participação, abertura e diálogo; Igualdade e equidade de gênero; Apreciação da diversidade cultural;

“Empoderamento”;
Abordagem sistemática;
Envolvimento;
Integridade e transparência;

Sustentabilidade: As pessoas são titulares de direitos, e não beneficiárias;
A mudança sustentável só pode ocorrer se ocorrer em todos os níveis;
Há que considerar o contexto e cultura;
Abordagens baseadas na saúde e não em doenças.